processo de fertilização in vitro
vida_icon

Como Funciona o Processo de Fertilização In Vitro

O processo de fertilização in vitro (FIV) é um método de tratamento para casais que apresentam alguma dificuldade em conceber naturalmente, para mulheres que desejam fazer produção independente ou para casais homoafetivos. A FIV tem sido um método de tratamento bem sucedido desde o nascimento do primeiro bebê de proveta em 1978, e tem sido usada cada dia mais para diversos motivos.

A FIV envolve a captação de óvulos diretamente dos ovários da mulher, que são fertilizados por espermatozoides do parceiro ou de um doador em um laboratório. Uma vez fertilizados, os embriões são cultivados em um ambiente de laboratório controlado até que estejam prontos para serem transferidos para o útero da mulher ou congelados. Embora possa parecer simples, o processo de FIV é complexo e envolve várias etapas. Neste artigo, vamos explicar como funciona o processo, desde a preparação até a transferência de embriões.

 

Preparação para o Processo de Fertilização In Vitro (FIV)

Antes de iniciar o processo de FIV, o casal deve fazer uma avaliação de fertilidade para determinar se é a melhor opção para eles. Isso pode incluir exames de sangue, testes de esperma, ultrassonografias e estimativas de saúde geral. Se a FIV for considerada a melhor opção, é definido, junto ao médico, a data para início do estímulo, então a mulher começará a utilizar medicamentos para estimular seus ovários a produzir óvulos.

A estimulação ovariana é geralmente realizada com medicamentos injetáveis, e geralmente dura cerca de 10 a 12 dias. Durante esse período, a mulher será monitorada de perto para garantir que seus ovários estejam respondendo corretamente ao tratamento e que ela esteja produzindo folículos ovarianos. Isso é feito através de ultrassonografias transvaginais e exames de sangue que monitoram os níveis hormonais.

  • Punção dos óvulos

Uma vez que os folículos atingem o tamanho adequado, a mulher recebe uma injeção final de um hormônio que desencadeia a ovulação. Cerca de 36 horas após a injeção, os óvulos serão retirados dos ovários em um procedimento chamado de punção folicular.

A punção folicular é realizada sob sedação leve e é feita com a ajuda de uma agulha fina inserida através da parede vaginal, guiada por ultrassonografia transvaginal. Os óvulos são aspirados dos folículos ovarianos e transferidos para um laboratório de FIV.

  • Coleta de espermatozoides

Enquanto a mulher está sendo preparada para a retirada de óvulos, o homem fornecerá uma amostra de sêmen que será processada em um laboratório para separar os espermatozoides saudáveis. Se o parceiro do sexo masculino não puder fornecer uma amostra de sêmen, pode ser utilizada uma amostra de um doador.

  • Fertilização dos óvulos

 

Principais Técnicas de Utilizadas na Fertilização In Vitro

Uma vez que os óvulos e espermatozoides estão prontos, a FIV pode começar. Os gametas femininos são colocados em uma placa e misturados com os espermatozoides em um meio nutritivo. 

Existem duas técnicas principais de fertilização utilizadas no processo de fertilização in vitro (FIV):

  1. Fertilização in vitro convencional.
  2. Injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI).

Na FIV convencional, uma quantidade específica de espermatozoides é colocada junto a cada óvulo em uma placa. A fertilização ocorre naturalmente, e os embriões resultantes são cultivados em uma placa até que estejam prontos para serem transferidos para o útero.

Já na Injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI), um único espermatozoide é injetado diretamente no óvulo através de uma agulha muito fina. Essa técnica é usada quando há problemas de qualidade ou quantidade de espermatozoides. A ICSI é geralmente realizada quando o número de espermatozoides viáveis ​​é baixo ou quando há problemas com a forma ou motilidade dos espermatozoides.

  • Cultivo dos embriões

Depois que os óvulos são fertilizados, eles são cultivados em uma incubadora em condições cuidadosamente controladas. Os embriões são alimentados em um meio nutritivo e incubados em uma atmosfera de dióxido de carbono com temperatura e umidade controladas. Os embriões são monitorados diariamente para avaliar seu desenvolvimento e qualidade.

Os embriões são avaliados quanto à qualidade com base em critérios como o número de células, a aparência e a uniformidade. Essas estimativas ajudam os médicos a determinar quais embriões têm a maior probabilidade de resultar em uma gravidez saudável.

  • Transferência dos embriões

Após cerca de três a cinco dias de cultivo, os embriões estão prontos para serem transferidos para o útero da mulher ou congelados. A transferência de embriões é procedimento simples que envolve a colocação de um cateter através do colo do útero e na cavidade uterina. Os embriões são transferidos para a cavidade uterina com a ajuda de uma seringa.

O número de embriões transferidos depende de vários fatores, como a idade da mulher e a qualidade dos embriões. 

Após a transferência dos embriões, a mulher pode ser aconselhada a repousar por um curto período de tempo. Em alguns casos, a mulher pode ser aconselhada a limitar suas atividades físicas por alguns dias para aumentar as chances de implantação bem-sucedida do embrião.

 

Teste de gravidez

Cerca de duas semanas após a transferência de embriões, uma mulher fará um teste de gravidez para determinar se a FIV foi bem-sucedida. Se o teste for positivo, a mulher será encaminhada para acompanhamento pré-natal. Se o teste for negativo, o casal pode optar por tentar novamente o processo.

Após o teste de gravidez, se o resultado for positivo, a mulher será acompanhada pelo médico para garantir que a gestação ocorra normalmente. A partir deste ponto, a gravidez seguirá seu curso natural e será monitorada pelo obstetra.

 

Riscos e efeitos colaterais da FIV

Assim como em qualquer procedimento médico, o processo de fertilização in vitro, a FIV, apresenta alguns riscos e efeitos colaterais que devem ser levados em consideração antes de optar pelo tratamento. Alguns dos riscos mais comuns incluem:

  • Risco de gestações múltiplas: A transferência de mais de um embrião aumenta conforme as chances de gravidez múltipla, o que pode aumentar o risco de complicações para a mãe e para os bebês.
  • Efeitos colaterais dos medicamentos: Os medicamentos usados ​​no tratamento da FIV podem causar efeitos colaterais, como dores de cabeça, náuseas, dores abdominais e dores no local da injeção.
  • Complicações da coleta de óvulos: A coleta de óvulos pode causar desconforto abdominal, dor, sangramento e vômito.
  • Riscos da gravidez: Como em qualquer gravidez, existem complicações de complicações, como aborto espontâneo, gravidez ectópica e pré-eclâmpsia.

É importante lembrar que os riscos e efeitos colaterais variam de acordo com o caso individual e devem ser discutidos com o médico antes de iniciar o tratamento.

Embora a FIV seja um procedimento complexo, com várias etapas, o objetivo é o mesmo: fertilizar um óvulo com um espermatozoide para criar um embrião e, eventualmente, uma gravidez saudável.

No entanto, antes de optar pelo processo de fertilização in vitro, é importante que os casais conversem com um médico especialista em reprodução humana para avaliar suas opções de tratamento e discutir os riscos e efeitos colaterais envolvidos. A FIV pode ser um processo demorado e emocionalmente desafiador, mas pode levar a resultados positivos para muitos casais que desejam ter um filho.

É importante lembrar que o sucesso da FIV não é garantido, e muitos fatores podem influenciar a taxa de sucesso do tratamento, como idade da mulher, qualidade dos óvulos e espermatozoides e outros fatores médicos. No entanto, com um acompanhamento adequado e a escolha de um bom centro de reprodução humana os riscos são diminuídos. 

Nós do Centro Vida somos especializados no processo de fertilização in vitro, faça contato hoje mesmo!

 

Três Perguntas Sobre o Processo de Fertilização In Vitro

  • Como é feito o procedimento de fertilização in vitro?
    É feito a coleta dos dois gametas e o profissional responsável tem a possibilidade de injetar um único espermatozoide dentro do óvulo forçando a fecundação, isto acontece via (ICSI) processo laboratorial. Como resultante desse processo, o embrião é inserido no útero da paciente para se fixar ao endométrio e se desenvolver.
  • Em que situações se usa a FIV?
    A fertilização in vitro é uma técnica utilizada em caso de obstrução ou ausência de trompas, propiciando a fecundação em ambiente laboratorial.
  • Quantas FIV se pode fazer?
    O processo de fertilização in vitro pode ser submetido em mulher até completar 40 anos no serviço nacional de Saúde com até 3 tentativas, já no serviço privado não existe número limite de tratamentos, e pode ser feito até aos 49 anos. Será necessário considerar a idade do parceiro!

 

Curiosidade

Em repetitivo, STJ decide que planos de saúde não são obrigados a custear o processo de fertilização in vitro, entenda esta noticia.

Compartilhe este artigo

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência em nosso conteúdo.