Logotipo Vida Fértil 5
Cópia de Cópia de Cópia de Cópia de Cópia de Cópia de Cópia de Cópia de Cópia de Cópia de Cópia de Cópia de Cópia de Cópia de Cópia de Cópia de Cópia de Cópia de Juliana Cuzzi (3)
vida_icon

Entenda a Relação Entre a Fertilidade e a Quimioterapia

A quimioterapia é um tratamento crucial no combate ao câncer que pode trazer consigo efeitos colaterais que impactam a fertilidade tanto em homens quanto em mulheres.

Compreender essa relação é fundamental para que os pacientes possam tomar decisões informadas sobre seu futuro reprodutivo e buscar alternativas para preservar sua capacidade de ter filhos.

 

Danos Ovarianos: Fertilidade e a Quimioterapia nas Mulheres

A quimioterapia pode afetar os ovários, reduzindo o número de óvulos disponíveis para a ovulação, o que é chamado de diminuição da reserva ovariana. Essa redução pode ser temporária ou permanente, dependendo da idade da mulher, tipo de quimioterapia e dose administrada.

Os óvulos remanescentes após a quimioterapia podem apresentar qualidade inferior, o que pode dificultar a fecundação e aumentar o risco de aborto espontâneo.

Em alguns casos, a quimioterapia pode levar à menopausa precoce, ou seja, o fim da menstruação e da fertilidade antes dos 45 anos.

 

Alterações Menstruais Causadas Pela Quimioterapia:

A quimioterapia pode causar irregularidades no ciclo menstrual, como amenorreia (ausência de menstruação por três ou mais meses) ou oligomenorréia (menstruação escassa e irregular).

Amenorreia permanente: Em alguns casos, a amenorreia pode se tornar permanente, o que significa que a mulher não ovula e não menstrua mais.

 

Danos aos Testículos: Fertilidade e a Quimioterapia nos Homens

A quimioterapia pode afetar os testículos, diminuindo a produção de espermatozoides. Essa redução pode ser temporária ou permanente, dependendo do tipo de quimioterapia, dose administrada e características individuais do paciente.

Azoospermia: Em alguns casos, a quimioterapia pode levar à azoospermia, ou seja, à ausência total de espermatozoides no ejaculado. Essa condição pode ser permanente ou reversível, dependendo da gravidade dos danos aos testículos.

Alterações na qualidade dos espermatozoides: Os espermatozoides produzidos durante ou após a quimioterapia podem apresentar menor motilidade e morfologia, o que pode dificultar a fecundação do óvulo e aumentar o risco de aborto espontâneo.

 

Redução da Fertilidade em Homens e Mulheres Por Efeito da Quimioterapia

A fertilidade masculina pode ser reduzida durante e após a quimioterapia, devido à diminuição da produção de espermatozóides, alterações na qualidade dos mesmos e azoospermia, e nas mulheres devido à diminuição da reserva ovariana, alterações na qualidade dos óvulos e irregularidades menstruais. 

Em alguns casos, a quimioterapia pode levar à infertilidade permanente tanto para homens como para mulheres, ou seja, a impossibilidade de engravidar naturalmente.

 

Fatores que Influenciam os Efeitos para Homens:

Idade: Homens mais jovens geralmente são menos afetados pela quimioterapia em termos de fertilidade do que homens mais velhos.

Tipo de câncer: Alguns tipos de câncer, como o câncer de testículo, são mais propensos a causar danos testiculares do que outros.

Tipo de quimioterapia: Diferentes tipos quimioterápicos podem ter efeitos distintos sobre a fertilidade.

Dose e duração do tratamento: Dosagens mais altas e tratamentos mais longos geralmente aumentam o risco de danos testiculares.

 

Fatores que Influenciam os Efeitos para Mulheres:

Idade: Mulheres mais jovens geralmente são menos afetadas pela quimioterapia em termos de fertilidade do que mulheres mais velhas.

Tipo de câncer: Alguns tipos de câncer, como o câncer de mama, são mais propensos a causar danos ovarianos do que outros.

Tipo de quimioterapia: Diferentes tipos quimioterápicos podem ter efeitos distintos sobre a fertilidade.

Dose e duração do tratamento: Dosagens mais altas e tratamentos mais longos geralmente aumentam o risco de danos ovarianos.

 

Preservação da Fertilidade Feminina e Masculina:

Felizmente para os homens, existem opções para preservar a fertilidade antes, durante ou após a quimioterapia, a principal alternativa é o congelamento de esperma.

Nesse procedimento, uma amostra de sêmen é coletada e congelada antes do início do tratamento. O esperma congelado pode ser utilizado posteriormente para técnicas de reprodução assistida, como a inseminação artificial (IA) ou a fertilização in vitro (FIV), quando o homem desejar ter filhos.

Felizmente também para as mulheres, existem opções para preservar a fertilidade antes, durante ou após a quimioterapia. As principais alternativas incluem:

Congelamento de óvulos: Óvulos maduros são coletados e congelados antes do início do tratamento. Essa técnica permite que a mulher utilize seus próprios óvulos para fertilização in vitro (FIV) posteriormente, quando desejar engravidar.

Congelamento de tecido ovariano: Pequenos pedaços de tecido ovariano contendo folículos (estruturas que armazenam os óvulos) são removidos e congelados. O tecido ovariano congelado pode ser transplantado de volta para os ovários após o término do tratamento, permitindo que a mulher volte a ovular e engravidar naturalmente.

Fertilização in vitro (FIV): Óvulos e espermatozóides são coletados e fertilizados em laboratório, e os embriões resultantes são congelados para uso posterior. A FIV pode ser realizada com óvulos frescos ou congelados, e com espermatozoides do parceiro ou de um doador.

 

Estamos Aqui Para Ajudar: Converse com um médico

É fundamental que todos os homens e mulheres em tratamento contra o câncer que desejam ter filhos no futuro conversem com seu médico sobre seus planos e as opções disponíveis para preservar sua fertilidade.

O médico oncologista pode trabalhar em conjunto com um especialista em reprodução humana para avaliar o caso individual do paciente e indicar o momento ideal para a coleta de sêmen para os homens, e dos óvulos para as mulheres, considerando fatores como tipo de câncer, estado de saúde geral, histórico reprodutivo e desejos do paciente.

Lembre-se: o diagnóstico de câncer não significa o fim do sonho de ter filhos. Com planejamento adequado, acompanhamento médico especializado e a utilização das técnicas corretas para homens e mulheres, as chances de concretizar esse desejo aumentam significativamente.

 

Compartilhe este artigo

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência em nosso conteúdo.